Castração: amor ou maldade?


Ilustração: Elisa Ferro (reprodução)

O aumento da população de animais domésticos nos últimos anos tem causado problemas cada vez maiores, principalmente no que se refere à saúde pública. Hoje no mercado existem diversos métodos que visam controlar esse crescimento e um deles é a castração. Considerada a alternativa mais segura e eficaz, a castração garante a esterilização, ou seja, o animal não terá mais capacidade de se reproduzir, além de ser um fator determinante na prevenção de inúmeras doenças. Muito se fala a respeito dos mitos e verdades que cercam esse tema, mas você sabe o que de fato é a castração? Para explicar mais sobre o assunto convidamos Maira Freitas, médica veterinária formada pela Universidade de Uberaba - UNIUBE, e especialista em clínica médica e cirúrgica de pequenos animais.



*Essa entrevista foi realizada à distância (via internet) obedecendo todas as recomendações de segurança e isolamento da Organização Mundial da Saúde de combate ao COVID-19*



Maira Freitas, médica veterinária.

1. O que é a castração?

(Maira) – “A castração é a retirada de útero e ovários nas fêmeas, e nos machos é a retirada dos testículos, com a finalidade de controle populacional e prevenção de doenças como: tumores mamários, neoplasias testiculares, mamárias, prostáticas e outros”.

2. Quais os benefícios do procedimento? Existe alguma contraindicação?

(Maira) – “São vários os benefícios da castração: diminui a incidência de agressividade, demarcação de território, fugas e principalmente atua como controle populacional. Nas fêmeas evita câncer uterino, mamário e piometra (infecção no útero). Em cadelas, a probabilidade do aparecimento de neoplasias mamárias é reduzida para 0,05% quando castradas antes do primeiro estro (cio), reduzido para 8% quando a castração é realizada após o primeiro estro e para 26% quando for efetivada após as fêmeas apresentarem dois ou mais estros. Nas gatas, essa probabilidade é reduzida para 9% quando é realizada antes dos seis meses de idade, para 14% antes de um ano e para 89% quando a castração é realizada entre um e dois anos de idade (OVERLEY et al., 2005). Nos machos evita câncer testicular e prostático. É um procedimento contraindicado em casos de animais que não podem ser submetidos à anestesia”.

3. Após castrado um animal pode entrar no ci